CENA HÍBRIDA QUA28NOV COM SANDRO MARQUES

Integrante do Cambada de Teatro em Ação Direta Levanta Favela,  o ator Sandro Marques esteve na DFM para falar do espetáculo Malone Morre, criação coletiva do grupo que estreia no próximo de 13 de dezembro, às 20h, no Centro Cultural KZA Terezinha (Santa Terezinha, 711/saguão, bairro Santana - POA).  Entre outras curiosidades, ele destaca que a escolha da data de início da temporada, que segue até 22 de dezembro (as demais apresentações ocorrem nos dias, 14, 15, 18, 19, 20 e 21 )tem a intenção de lembrar os 50 anos do Ato Institucional nº 5 (AI-5), baixado durante o governo do general Costa e Silva, e que vigorou até dezembro de 1978, produzindo um elenco de ações arbitrárias de efeitos duradouros. Para quem não sabe, ou não lembra, o AI-5 definiu o momento mais duro da ditadura militar no Brasil, dando poder de exceção aos governantes para punir arbitrariamente os que fossem inimigos do regime ou como tal considerados.

Mas enfim...o que isso tem a ver com o espetáculo? De uma certa forma, tudo a ver.  Livre inspiração do texto de Samuel Beckett (um dos principais autores do Teatro do Absurdo), a montagem traz o tom da novela irlandesa sobre a degradação da humanidade, e a total falta de perspectiva. Infelizmente, neste momento, lembrar do AI-5 é perceber que tudo que se conquistou de lá para cá em termos de liberdade está sob uma linha muito tênue, correndo grandes riscos. Lembrar, para resistir. Buscar fazer todos os dias um mundo melhor, com arte, com reflexão, com pequenas boas atitudes - tentar buscar o sentido no que parece não fazer mas sentido.  Originalmente, Malone Morre é um texto não linear, onde as cenas se misturam no tempo, no espaço da mente de um moribundo. Dividida entre textos, coreografias e músicas, a peça tem toda uma atmosfera de decadência e desespero, e faz uma crítica bem pessimista mesmo, pra alertar sobre a necessidade de não se cair na descrença e continuar resistindo mesmo em tempos tão difíceis. No caso, tudo que os personagens que ali estão conseguem é tentar sobreviver...

O Cambada de Teatro em Ação Direta Levanta Favela trabalha desde 2008 em Porto Alegre com teatro de rua, teatro de vivência e intervenções cênicas. Com forte engajamento com movimentos sociais, o grupo coloca na sua estética e linguagem a discussão política sobre questões atuais e pertinentes ao contexto social contemporâneo, fazendo da arte uma ferramenta de discussão social. Ao todo, o grupo realizou dezenas de intervenções cênicas e a montagem de dez espetáculos. Esta é a primeira vez que encenam algo baseado em Beckett, e a promessa é de se ver uma leve mudança de linguagem do grupo, o que é sempre muito bem vindo no teatro, porque o céu é o limite neam! Já estou louca pra conferir! Mas tá, #escutanóis que tem bastante conteúdo no bate papo do podcast abaixo! Vida que segue, bora lutar.

por Adriana Lampert

Leave a reply

Web by: DELTA